AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sábado, 25 de Novembro de 2017.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Indústria atenua perdas

 

Os dados mais recentes da actividade industrial mostram um acentuado agravamento das perdas no primeiro trimestre, mas já com uma atenuação significativa da contracção no mês de Março.


Os dados mais recentes da actividade industrial mostram um acentuado agravamento das perdas no primeiro trimestre, tanto ao nível da produção como das vendas, mas já com uma atenuação significativa da contracção no mês de Março.

A descida homóloga da produção situou-se em 13,1% no trimestre (após 7,1% no anterior) e 7,9% em Março, tendo-se registado quebras acima da média na indústria transformadora (17% e 11,9%, respectivamente), parcialmente compensadas pela retoma do crescimento no ramo de electricidade, gás, vapor, água e ar (com uma subida de 11,2% no trimestre).

O decréscimo das vendas foi ainda mais forte que o da produção (23,1% no trimestre e 19,9% em Março), reflectindo o recuo dos preços à saída de fábrica e a acumulação (involuntária) de stocks, com o mercado externo a apresentar o andamento mais negativo (perdas de 29,4% e 28%, respectivamente).

As indústrias de bens de consumo foram as únicas a apresentar uma quebra da produção superior à das vendas (10,7% e 9%, respectivamente), situando-se, nos dois casos, bastante abaixo das perdas nos bens intermédios e de investimento (cerca de 27%, ao nível das vendas, e 18% na produção, em ambas as indústrias).

Em Março, o andamento homólogo da produção e das vendas melhorou na generalidade dos agrupamentos. A melhoria foi ainda mais notória em evolução mensal, observando-se, pela primeira vez desde Julho de 2008, um crescimento do índice de produção (3,1%, corrigido de efeitos de calendário e sazonalidade). As vendas aumentaram 10% face a Fevereiro (sem ajustamento de sazonalidade), após cinco meses em quebra.

De acordo com a informação avançada disponível, o comportamento negativo da actividade industrial deverá continuar a atenuar-se nos próximos meses, numa altura em que já se observam alguns sinais de desagravamento da grave crise financeira e económica internacional. O índice de encomendas industriais recuperou um andamento positivo em Março, sendo ainda de realçar, no inquérito à indústria transformadora de Abril, a melhoria das apreciações da produção corrente e a tendência recente de perspectivas menos negativas para a produção e preços.


Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt