AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Reabilitação urbana é “desígnio nacional”

 

A reabilitação urbana é um segmento de mercado onde existe procura potencial e oferta disponível, devendo ser encarado como uma prioridade. A Concreta, a grande feira portuguesa do sector da construção, entre 20 e 24 de Outubro, vai evidenciar isso mesmo.


Existe em Portugal um consenso alargado sobre a urgência em dinamizar a reabilitação urbana, classificada pelo Governo como “desígnio nacional”.

Dada a degradação do parque habitacional, trata-se de um segmento de mercado onde existe procura potencial – estimam-se em cerca de 800 mil os fogos a exigir médias, grandes ou muito grandes reparações. Existe também oferta disponível: independentemente da conjuntura, o reconhecimento de que o mercado de novas habitações está saturado é motivo bastante para que as empresas olhem para a reabilitação urbana como uma promissora fonte de oportunidades. Acresce ainda que este é um segmento de mercado fortemente intensivo em mão-de-obra, logo com um forte impacto potencial no emprego.
Apesar disso, segundo as Estatísticas da Construção e Habitação, do INE, em Portugal o peso do segmento da reabilitação urbana no total da habitação é de apenas 17,4%, o que fica bastante abaixo da média europeia, situada nos 45%.

Esta situação é explicada por um conjunto alargado de razões. De acordo com a referida publicação do INE, “destaca-se o reduzido impacto do novo Regime de Arrendamento Urbano, que ficou muito aquém do esperado”, sendo necessário que “a reabilitação seja encarada como uma verdadeira prioridade nacional, liberalizando o mercado de arrendamento, incentivando o investimento, combatendo a burocracia e agilizando o licenciamento”.

Havendo ainda muito a fazer nestas áreas e independentemente de alguma polémica que tem causado, o Regime Jurídico da Reabilitação Urbana, apresentado em finais de Junho, conjuntamente com os benefícios fiscais consagrados no Orçamento do Estado para 2009, vem criar um enquadramento mais favorável à dinamização deste mercado.

Por todos estes motivos, a reabilitação urbana estará em foco na 24.ª edição da Concreta - Feira Internacional de Construção e Obras Públicas, que a Exponor acolherá entre 20 e 24 de Outubro. Será, aliás, o grande tema do congresso, paralelo ao certame, nos dias 21 e 22, em que os agentes do sector de irão debruçar sobre as diversas vertentes do tema “Reabilitar/Habitar”. (Informação detalhada em www.concreta.exponor.pt).


Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt