AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2017.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Proposta nova directiva sobre atrasos de pagamento

 

A proposta de um novo artigo relativo aos “pagamentos por entidades públicas” é sintomática da grande preocupação que esta matéria tem assumido, também a nível comunitário.


Reconhecendo que os atrasos de pagamento nas transacções comerciais constituem ainda um problema generalizado na União Europeia e que, em alguns Estados-membros, há também indícios de prazos injustificadamente longos em transacções que envolvem administrações públicas, a Comissão Europeia apresentou uma proposta para a reformulação da Directiva 2000/35/CE, considerada insuficiente para combater, de forma eficaz, este problema.

Esta proposta de directiva introduz alguns mecanismos adicionais, como o direito à recuperação dos custos administrativos e à indemnização pelos custos internos ocasionados pelo atraso de pagamento.

A proposta de um novo artigo relativo aos “pagamentos por entidades públicas” é sintomática da grande preocupação que esta matéria tem assumido, também a nível comunitário. As novas propostas neste domínio são a harmonização dos prazos de pagamento das entidades públicas (que passam a ser de 30 dias, caso a data ou o prazo de pagamento não constem do contrato) e a obrigação de indemnizar, a partir do primeiro dia de atraso, num montante correspondente a 5% do valor facturado.

Especificamente no caso português, deverá haver um especial cuidado no diploma de transposição, sendo conveniente explicitar a obrigação das entidades públicas liquidarem juros de mora de forma automática, sem necessidade de interpelação do credor.

Para que se opere uma mudança decisiva, torna-se também necessário o reconhecimento de que cláusulas contratuais que excluam o direito de cobrar juros são abusivas.

Na verdade, apenas se verificarão mudanças efectivas na realidade que hoje continua a caracterizar os atrasos de pagamento se, por um lado, os credores tiverem ao seu dispor meios céleres e eficazes que lhes permitam exercer com eficácia os seus direitos face a situações de atraso de pagamento, bem como se à administração pública forem aplicadas medidas verdadeiramente dissuasoras da protelação dos pagamentos.


Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt