AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sexta-feira, 22 de Setembro de 2017.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Benefícios fiscais contratuais têm nova legislação

 

O Código Fiscal do Investimento, que estará em vigor até 31 de Dezembro de 2020, unifica e centraliza os procedimentos aplicáveis à contratualização dos benefícios fiscais.


Foram publicados em 23 de Setembro dois diplomas que alteram o regime de benefícios fiscais ao investimento de natureza contratual, produzindo efeitos desde 1 de Janeiro de 2009.

A nova legislação vem revogar o quadro normativo anterior, alargando o prazo de vigência até 31 de Dezembro de 2020. Por outro lado, é criado o Código Fiscal do Investimento, que procede à unificação dos procedimentos aplicáveis à contratualização dos benefícios fiscais, e o Conselho Interministerial de Coordenação dos Incentivos Fiscais ao Investimento, que centraliza todos os procedimentos associados à concessão, acompanhamento, renegociação e resolução dos contratos, incluindo a apreciação prévia da candidatura.

Como principais alterações, destacam-se o alargamento do âmbito sectorial e a possibilidade de majorações na taxa a aplicar às aplicações relevantes (sob a forma de crédito de imposto) em algumas situações específicas.

Assim, no âmbito do regime de benefícios fiscais contratuais, quer ao investimento produtivo (para projectos de montante igual ou superior a 5 milhões de euros), quer à internacionalização (com aplicações relevantes de mais de 250 mil euros), passam a estar abrangidos os sectores do ambiente, energia e telecomunicações.

No regime contratual aplicável aos projectos com vista à internacionalização alarga-se o âmbito aos investimentos directos efectuados no estrangeiro que tenham por objecto as seguintes actividades económicas: a) Actividades associadas aos pólos de competitividade e tecnologia; b) Construção de edifícios, obras públicas e actividades de arquitectura e de engenharia conexas com aquelas; c) Transportes e logística. Por outro lado, prevê-se uma majoração da taxa do crédito de imposto, em 10 pontos percentuais, caso o promotor do projecto seja uma pequena ou média empresa ou no caso de investimentos realizados através de acções conjuntas de internacionalização (cujos termos serão definidos em Portaria).

No regime de benefícios fiscais contratuais ao investimento produtivo, eleva-se a taxa mínima a aplicar às despesas relevantes para efeito de crédito de imposto (de 5% para 10%) e estabelece-se uma simplificação de procedimentos aduaneiros.


Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt