AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sábado, 25 de Novembro de 2017.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Intervenções Institucionais

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - informação económica

Indústria perde dinamismo no terceiro trimestre

 

A perda de dinamismo nas vendas da indústria teve origem no mercado nacional, mantendo-se um crescimento próximo de 18% no mercado externo.


Após um primeiro semestre bastante positivo, a actividade industrial portuguesa perdeu dinamismo no terceiro trimestre, destacando-se o abrandamento homólogo das vendas (em particular no mercado nacional) e a quebra do índice de produção, ainda que pouco significativa e concentrada em Setembro.

O recuo ligeiro da produção (taxa de variação homóloga de -0.1%, com -2.4% em Setembro, após 2.8% e 3.7% nos dois trimestres anteriores) resultou de uma quebra nas indústrias de electricidade, gás, vapor, água e ar frio e do abrandamento (de uma tvh de 3.2% para 0.2%) na indústria transformadora, o ramo com maior peso. Neste, a única nota positiva vai para a redução das perdas no agrupamento de bens de investimento, insuficiente para contrariar a desaceleração nos bens intermédios e a quebra nos bens de consumo.

No caso das vendas, registou-se apenas uma redução do ritmo de crescimento (de 11.6% para 9.6%), amortecida pela ligeira aceleração dos preços na produção. A perda de dinamismo teve origem no mercado nacional, mantendo-se um crescimento próximo de 18% no mercado externo.

Em termos de perspectivas, o inquérito à indústria transformadora de Outubro sugere uma evolução menos favorável da produção e da procura nos próximos três meses. Apesar de um recuo em Outubro, as avaliações da procura externa estão ainda num dos níveis mais elevados dos últimos dois anos, mantendo-se um forte crescimento das encomendas para o exterior. Espera-se, por isso, que as exportações continuem a suportar a progressão da produção industrial após uma pausa no seu crescimento. Esta aposta nas exportações, justificada pelo ajustamento em baixa da procura doméstica e pelas boas perspectivas nos mercados externos (sobretudo os emergentes), é essencial para o reequilíbrio das contas externas, sem a qual a retoma económica não é sustentável

Gabinete de Estudos da AEP


A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt