AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Terça-feira, 18 de Setembro de 2018.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - notícias em destaque

Formação PME atinge maioridade com 7.661 empresas apoiadas

 

Lançado em 1997 como projeto-piloto, constitui uma “boa prática europeia” e na sua edição mais recente, que agora encerra, envolveu o Estado, a AEP e uma rede colaborativa de 38 entidades.


Lançado pela AEP - Associação Empresarial de Portugal há 18 anos, como projeto-piloto, está praticamente concluída a 7.ª edição daquela que está referenciada, no país e na União Europeia, como uma das experiências mais conseguidas na área da formação. Trata-se do programa Formação PME, que, em 15 anos de vigência, aproveitou a 7.661 micro, pequenas e médias empresas portuguesas das regiões Norte, Centro, Alentejo e Algarve.

Sem custos para as empresas, por ser cofinanciado por fundos comunitários e nacionais, e assente no modelo de formação-ação, o seu maior propósito foi sempre a promoção da gestão competitiva. As atividades formativas propriamente ditas, que são precedidas de um diagnóstico à medida de cada empresa, decorrem no ambiente de trabalho diário e com recurso a metodologias práticas ao alcance de empresários, gestores e trabalhadores.

Numa apreciação geral, que relatórios técnicos e auditorias têm confirmado, serviu para diagnosticar entropias e fraquezas endógenas, mas, sobretudo, para aclarar oportunidades de melhoria e os riscos com que cada empresa participante está confrontada.

O sucesso deste programa assenta, por outro lado, no quadro de cooperação estabelecido entre o Estado e a AEP, enquanto organização da sociedade civil: uma verdadeira parceria público-privada que às duas partes responsabiliza.

Com efeito, na última edição, que agora termina, a AEP atuou por delegação de competências do Estado, assumindo-se como organismo intermédio e fator de dinamização e supervisão de uma rede colaborativa de 38 entidades beneficiárias, todas elas com grande envolvimento com o tecido empresarial. Na maior parte dos casos, trata-se de associações empresariais (regionais e sectoriais), institutos de formação e centros tecnológicos.

Foi esta rede que se responsabilizou (e presta contas) pela execução da 7.ª edição do Formação PME (2011/2014), depois de ter colocado uma vasta equipa de consultores e formadores certificados no terreno, a trabalhar em 1.903 PME.

Simultaneamente, a mesma rede colaborativa operacionalizou um programa centrado, exclusivamente, na Formação para Empresários. Foi um projeto-piloto e dele beneficiaram 1.303 líderes de PME, maioritariamente do Norte (841). Qualificação de competências, gestão, organização da produção, internacionalização, logística e marketing e vendas foram as principais razões que levaram os empresários-formandos a participar.

Para operacionalizar a 7.ª edição do Formação PME e a iniciativa Formação para Empresários, a AEP geriu um financiamento superior a 38,2 milhões de euros, ao longo de quatro anos, proveniente do POPH - Programa Operacional Potencial Humano, ao abrigo do QREN. O investimento e a experiência valeram a pena e o Formação PME foi selecionado como uma boa prática europeia pelos peritos do PROALV - Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, com que a Comissão Europeia dinamiza as oportunidades formativas generalizadas (através de subprogramas como o Erasmus, Leonardo da Vinci, Comenius e Grundtvig).

Contribuindo para a capacitação do tecido empresarial e a competitividade da economia nacionais, o Formação PME tem sido, para a AEP, um dos instrumentos mais eficazes para robustecer e acrescentar competências à maioria das nossas empresas. O trabalho em rede, a metodologia prática de análise dos problemas das empresas envolvidas e a elaboração de um menu de medidas orientadas para a melhoria da competitividade são as pedras de toque do sucesso.

O programa, aliás, pode ser visto como paradigma da cooperação empresarial e é um bom exemplo da missão assumida pela AEP por delegação do Estado. Por isso, a AEP defende que contratualizar mais parcerias com a sociedade civil é um caminho que o Estado deve trilhar, reduzindo o seu peso na economia e, sobretudo, fazendo chegar a mais agentes económicos e mais longe o conhecimento e os instrumentos da formação para o desenvolvimento.

Para mais informações, clique aqui.



A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt