AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - notícias em destaque

Indústria mais competitiva se apostar na eco-inovação

 

Como conciliar a competitividade do país com a sustentabilidade do planeta? Concluído que está o projeto Ecoprodutin, a AEP aponta para as empresas eco-inovadoras: amigas do ambiente e mais competitivas


Depois da economia verde, o tecido industrial português precisa de despertar para a eco-inovação. Mais do que um conceito ditado por modelos de gestão e práticas de consumo há muito interiorizados no Norte da Europa, tem de ser encarada como uma causa indissociável da competitividade do país e da sustentabilidade do planeta.

Este é um dos principais ensinamentos que retém a equipa de consultores que a AEP - Associação Empresarial de Portugal teve no terreno, no último ano e meio, para melhor conhecer a situação da indústria nacional em matéria de eco-inovação. Para tanto, foi operacionalizado o projeto Ecoprodutin - Produtividade na Indústria pela Eco-inovação, cofinanciado pelo Compete, ao abrigo do QREN.

E os resultados obtidos têm tanto de incentivo, pelas oportunidades identificadas e pelo trabalho de sensibilização realizado junto do tecido industrial das regiões Norte, Centro e Alentejo, como de desalento, por se ter confirmado que são ainda relativamente poucas as empresas portuguesas que adotaram a eco-inovação para serem mais competitivas e se diferenciarem.

Porém, os consultores da AEP não deixam de assinalar que “as empresas que mais cedo perceberem a relação intrínseca entre competitividade e eco-inovação estarão mais bem preparadas para enfrentar os desafios vindouros”. E essas serão “as empresas de sucesso”, como se realça em “Eco-inovação e a competitividade empresarial”, uma das três publicações que resultam da execução do Ecoprodutin.

Um dos méritos do projeto foi, aliás, ter municiado a indústria portuguesa com um “kit de ferramentas de apoio à implementação da eco-inovação”, consubstanciado na referida publicação, em que se procura evidenciar os méritos da relação causa-efeito entre eco-inovação e competitividade, e em outras duas publicações: um repositório de informações práticas a ter em conta pelas empresas que pretendam tirar vantagem de práticas de gestão inovadoras e sustentáveis (o “Guia para a eco-inovação em PME”) e um estudo de “Benchmarking internacional de projetos eco-inovadores”.

Em linha com as estratégias europeias para a corrente década, que visam o crescimento inteligente, sustentável e inclusivo, e as metas previstas no Compromisso para o Crescimento Verde - que a AEP subscreveu, no ano passado, com o Governo e mais de 80 outras organizações representativas da sociedade civil portuguesa -, sugere-se que as nossas empresas encarem a eco-inovação como um meio, um instrumento de mudança.

O objetivo final é tornar qualquer empresa capaz de conceber e desenvolver um novo ou significativamente melhorado produto (bem ou serviço), processo, mudança organizacional ou solução de marketing, reduzindo o uso de recursos naturais (sejam eles matérias-primas, materiais, energia, água, solo, etc.) e libertando menos substâncias nocivas para o ambiente. Essa deve ser uma preocupação permanente ao longo de todo o ciclo de vida, quer se trate de produtos, tecnologias ou organizações.

No caso de um produto, importa ter em conta oito etapas distintas: extração de matérias-primas; produção de materiais; componentes; fabrico do produto propriamente dito; distribuição (B2B ou B2C); utilização; fim de vida; e reciclagem e valorização.

Para além dos ganhos em competitividade, as empresas que apostem na eco-inovação conseguirão mais facilmente outras vantagens, com reflexos internos e externos. Por exemplo: património ético (cultura organizacional, responsabilidade social, confiança dos consumidores, etc.), redução de riscos (menos não-conformidades e menos emissões poluentes propiciam, normalmente, ganhos reputacionais e mais segurança) e capital imaterial (propensão para a inovação permanente, ecossistema de parceiros, atratividade da marca e de talento, por exemplo).

Outro ensinamento que as empresas industriais portuguesas, mormente as PME, podem retirar da execução do Ecoprodutin tem a ver com a operacionalização de um modelo de gestão comprometido com a eco-inovação. Os consultores da AEP confirmaram a validade do método “OpenGreen”, que assenta em sete etapas. Na fase de pré-projeto, há que identificar as oportunidades, analisar exaustivamente a situação que pode determinar o sucesso do produto ou serviço e conceber alternativas, de modo a atingir soluções realmente inovadoras. Depois, é recomendável selecionar as alternativas ajustadas ao modelo e à estratégia da empresa. Só então se deverá partir para a execução do projeto, com a implementação das soluções, a adoção de uma política de comunicação que reforce os valores associados ao produto e à empresa e, por último, a capitalização das soluções encontradas. É a melhor forma de garantir o registo e a transferência do conhecimento resultante de todo o processo.

Para mais informações, clique aqui.




A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt