AEPortugal

Associação Empresarial de Portugal

Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018.Visitante

Login Pedido de Informação Imprimir

 

 

AEPortugal

Informação Económica

Formação

 

AEP Projetos

 

Feiras

Internacionalização

Enterprise Europe Network

Qualidade

Ambiente e Energia

S S T

Sistemas de Incentivos

Jurídico

AEPortugal

AEP

Apresentação

Breve Historial

Estatutos

Orgãos Sociais 2017 - 2020

Organograma

CSA  -  Conselho Superior
 Associativo

Inscrição em Eventos

Biblioteca AEP On-line

Newsletters AEP

Subscrever Newsletters AEP

Publicações AEP

Recursos Humanos

AEPortugal

SÓCIOS

Admissão

Actualização de Dados

548.000 Maiores Empresas

Económico Digital

CONTACTOS

AEPortugal

FUNDAÇÃO AEP

APCER

CESAE
Católica Porto Business  School
Exponor
Exponor - Brasil
Formação PME
IDIT
Parque - Invest
 
 

 

 

   

 

     Logo facebook

 

 

A E Portugal : notícias
 

notícias - notícias em destaque

Fundações AEP e de Serralves debatem implicações da mudança

 

Nas VI Jornadas Empresariais das Fundações AEP/Serralves, que se realizam a 12 de novembro, no Porto, líderes, gestores e académicos vão falar de uma nova prospetiva para Portugal


É de mudança e de desenvolvimento que se vai falar nas VI Jornadas Empresariais das Fundações AEP/Serralves, a 12 de novembro, no Porto. Para o debate, as duas instituições promotoras conseguiram a adesão de uma vintena de decisores que têm protagonizado, nas empresas, nos centros de conhecimento e nas administrações públicas, alguns dos projetos mais fecundos para o desenvolvimento organizacional e pessoal, a gestação de tendências e a evolução socioeconómica e tecnológica do país.

Percebe-se, por isso, que o tema central do encontro, que volta a decorrer no auditório da Fundação de Serralves, seja “Mudar para desenvolver”.

Em quatro sessões de debate, ao longo do dia, experimentados líderes, gestores e académicos portugueses irão falar de várias questões essenciais a uma nova prospetiva para Portugal. É o caso, por exemplo, das atuais dinâmicas do consumo e das cadeias globais, das implicações sociais e económicas das chamadas “megatrends”, das respostas individuais e das organizações, da mobilidade das pessoas e do multiculturalismo e da forma como as empresas estão a enfrentar desafios como a customização, a cocriação e as dinâmicas culturais deste tempo.

Caberá a Viriato Soromenho Marques, catedrático na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, enquadrar o debate. É ele o convidado para a palestra de abertura, após as alocuções protocolares dos presidentes das fundações AEP, Paulo Nunes de Almeida, e de Serralves, Luís Braga da Cruz.

Seguir-se-á a primeira sessão de debate. Com moderação do presidente da Agência Nacional de Inovação, José Carlos Caldeira, um painel de quatro personalidades com trabalho feito em outras tantas áreas vai falar das implicações da mudança na tecnologia, na economia, no capital de risco e no consumo. Trata-se, respetivamente, de José Manuel Mendonça, presidente do INESC TEC; de António Figueiredo, presidente da consultora Quaternaire Portugal; de Ricardo Luz, administrador da Instituição Financeira de Desenvolvimento; e de Miguel Seixas, administrador da Sonae MC.

Na segunda sessão, estará em equação a forma como as empresas e a Administração Pública lidam com as tendências resultantes da evolução da tecnologia e de novas realidades socioeconómicas. Intervirão Isabel Furtado, administradora da Fundação AEP e de várias empresas do grupo TMG, e Maria Manuel Leitão Marques, catedrática na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Moderará Luís Valente de Oliveira, ministro em cinco governos e de três pastas diferentes (Educação e Investigação Científica, Planeamento e Administração do Território e Obras Públicas, Transportes e Habitação).

No reinício dos trabalhos, após o almoço, está previsto que o debate se centre na forma como as empresas portuguesas se têm estado a posicionar nas cadeias globais e no tipo de envolvimento que têm com os consumidores. Darão o seu testemunho dois CEO de outras tantas empresas tecnológicas globais: Francisco Almada Lobo, da Critical Manufacturing, e Rui Paiva, da WeDo Technologies. Modera João Falcão e Cunha, professor na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

Na quarta e última sessão, serão as pessoas a estar no centro das atenções. A mobilidade, o “ter mundo”, os sistemas de ensino, a aprendizagem de línguas e os núcleos de excelência que trabalham para todo o mundo são os principais tópicos do debate, que terá moderação de Alberto de Castro, professor na Universidade Católica Portuguesa. Intervirão Pedro Teixeira, vice-reitor da Universidade do Porto, e Paulo Pereira da Silva, CEO da Renova.

O encerramento das VI Jornadas Empresariais das Fundações AEP/Serralves será marcado pela segunda e última palestra do dia, a cargo de António Murta, um dos mais respeitados ‘business angels’ portugueses e presidente da sociedade de capital de risco Pathena.

O último orador será José António Barros, presidente do Conselho de Curadores da Fundação AEP.

Para mais informações, contactar:
Fundação AEP
Cristina Guerra
Tel.: 22 615 85 10; Fax: 22 615 85 19 ou através do E-mail



A E Portugal : Informação de Rodapé

Design por: www.designarte.pt

Desenvolvido por CESAE: www.cesae.pt

Webmaster: dti@mail.cesae.pt